Um convite do escritor Claudio de Castro: “Católicos, é hora de levantarmos nossas vozes e defendermos a verdade”

“Não te envergo­nhes, portanto, do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, seu prisioneiro, mas sofre comigo pelo Evangelho, fortificado pelo poder de Deus.”

2 Tm 1,8

Muitas vezes, vejo nas redes sociais pessoas que atacam a Igreja, o Papa, a Virgem. Eu fico esperando algum católico sair em defesa de sua fé. Mas apenas uma ou outra voz sai para defendê-la. Parece que muitos têm vergonha de Jesus ou não queiram confrontar, sabendo que responderão de forma desagradável.

Às vezes eu espero. “Algum católico sairá em defesa de sua fé.” Mas apenas uma ou outra voz sai para defendê-la. Imagino que eles não queiram confrontar sabendo que responderão de forma desagradável.

Acho que é hora de levantar nossas vozes caridosamente e defender a verdade. Mostrar que somos felizes sendo católicos e não temos vergonha disso. Pelo contrário: sabemos que ser católico é um privilégio.

“Se nesta geração adúltera e pecadora alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do Homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai com os seus santos anjos”.

Mc 8,38

Conhecer Jesus

Ninguém pode amar o que não conhece. Portanto, devemos conhecer mais a Jesus. Como? Lendo a Bíblia, conhecendo Sua vida, Suas palavras, Seus milagres.

O Papa Francisco disse certa vez:

“Para conhecer verdadeiramente Jesus, devemos falar com Ele, dialogar com Ele enquanto o seguimos no caminho.

E ele pode ser conhecido também pelo Catecismo. É verdade! O Catecismo nos ensina muitas coisas sobre Jesus e devemos estudá-lo, devemos aprender com ele.

Assim aprenderemos que o Filho de Deus veio para nos salvar, e compreenderemos, através da beleza da história da salvação, o amor do Pai”. 

Amar o Senhor

Há um poema maravilhoso de Gabriela Mistral destinado a Jesus crucificado. Compartilho um trecho:

“Nesta tarde, Cristo do Calvário,
vim te rogar por minha carne enferma;
porém, ao ver-te, meus olhos vão e vem
de meu corpo a teu corpo com vergonha.

Como queixar-me de meus pés cansados,
quando vejo os teus tão destroçados?
Como mostrar-te minhas mãos vazias,
quando as tuas estão cheias de feridas?

Como explicar a ti a minha solidão,
quando na cruz erguido e só estás?
Como explicar-te que não tenho amor,
quando tens rasgado o coração?

Agora já não lembro de mais nada,
fugiu de mim toda minha mágoa.
E o ímpeto de rogo que trazia
se me afoga na boca de pedinte.

E eu só peço não pedir-te nada.
Estar aqui junto à tua imagen morta
e ir aprendendo que a dor é só
a chave santa de tua santa porta”.

Muitos, apesar de tanto amor ainda não conhecem Jesus. E isso não é algo novo. Jesus, em seu tempo, advertiu um dos apóstolos:

“Há tanto tempo que estou convosco e não me conhe­ceste, Filipe”

Jo 14,9

Portanto, vamos lá! Não tenha medo nem vergonha de defender sua fé. Aproxime-se de Jesus, creia em Suas palavras, em Sua presença viva na Eucaristia!

 

Fonte: pt.aleteia.org

Escrito por Claudio de Castro