DIa 29 – SEGUNDA-FEIRA

1ª SEMANA DO ADVENTO

(roxo, pref. do Advento I, – ofício do dia)

Ó nações, escutai a Palavra do Senhor; levai a boa-nova até os confins da terra! Não tenhais medo: eis que chega o nosso salvador (Jr 31,10; Is 35,4).

Novo ano litúrgico. Ocasião oportuna para reajustarmos nossos passos conforme os ensinamentos que brotam da riqueza dos textos bíblicos para este tempo de Advento.

 

Primeira Leitura: Isaías 2,1-5

Leitura do livro do profeta Isaías – 1Visão de Isaías, filho de Amós, sobre Judá e Jerusalém. 2Acontecerá, nos últimos tempos, que o monte da casa do Senhor estará firmemente estabelecido no ponto mais alto das montanhas e dominará as colinas. A ele acorrerão todas as nações, 3para lá irão numerosos povos e dirão: “Vamos subir ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que ele nos mostre seus caminhos e nos ensine a cumprir seus preceitos”; porque de Sião provém a lei e de Jerusalém, a palavra do Senhor. 4Ele há de julgar as nações e arguir numerosos povos; estes transformarão suas espadas em arados e suas lanças em foices: não pegarão em armas uns contra os outros e não mais travarão combate. 5Vinde, todos da casa de Jacó, e deixemo-nos guiar pela luz do Senhor. – Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial: 121(122)

Que alegria quando me disseram: / “Vamos à casa do Senhor!”

1. Que alegria quando ouvi que me disseram: / “Vamos à casa do Senhor!” / E agora nossos pés já se detêm, / Jerusalém, em tuas portas. – R.

2. Jerusalém, cidade bem edificada / num conjunto harmonioso; / para lá sobem as tribos de Israel, / as tribos do Senhor. – R.

3. Para louvar, segundo a lei de Israel, / o nome do Senhor. / A sede da justiça lá está / e o trono de Davi. – R.

4. Rogai que viva em paz Jerusalém, / e em segurança os que te amam! / Que a paz habite dentro de teus muros, / tranquilidade em teus palácios! – R.

5. Por amor a meus irmãos e meus amigos, / peço: “A paz esteja em ti!” / Pelo amor que tenho à casa do Senhor, / eu te desejo todo bem! – R.

 

Evangelho: Mateus 8,5-11

Aleluia, aleluia, aleluia.

Ó vinde libertar-nos, Senhor e nosso Deus; / mostrai a vossa face e nós seremos salvos! (Sl 79,4) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 5quando Jesus entrou em Cafarnaum, um oficial romano aproximou-se dele, suplicando: 6“Senhor, o meu empregado está de cama, lá em casa, sofrendo terrivelmente com uma paralisia”. 7Jesus respondeu: “Vou curá-lo”. 8O oficial disse: “Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu empregado ficará curado. 9Pois eu também sou subordinado e tenho soldados debaixo de minhas ordens. E digo a um: ‘Vai!’, e ele vai; e a outro: ‘Vem!’, e ele vem; e digo ao meu escravo: ‘Faze isto!’, e ele faz”. 10Quando ouviu isso, Jesus ficou admirado e disse aos que o seguiam: “Em verdade vos digo, nunca encontrei em Israel alguém que tivesse tanta fé. 11Eu vos digo, muitos virão do oriente e do ocidente e se sentarão à mesa no Reino dos céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó”. – Palavra da salvação.

 

Reflexão

Jesus circula pela região da Galileia pregando a Boa-Nova do Reino. Em Cafarnaum, defronta-se com um centurião (responsável por uma centúria, formada por cem soldados romanos), que pede ao Mestre ajuda para curar seu criado. O centurião sabe do poder da palavra criadora e restauradora de Jesus, por isso lhe faz esse pedido mesmo estando fisicamente distante. Assim como tem poder sobre seus criados, o centurião reconhece que Jesus tem poder sobre os sinais de dor e de morte. Ao mesmo tempo, tem consciência de sua limitação para curar seu servo, pois, apesar de todo o seu poder, necessita da palavra de outro para conseguir seu intento. O evangelista conclui elogiando a fé do centurião e alargando o horizonte da missão de Jesus: ele não veio somente para o povo judeu: é o Messias do Oriente e do Ocidente. Em outras palavras, a missão de Jesus é universal.

 

Oração


Ó Jesus, Mestre em hospitalidade, tens o coração aberto a todos os povos, por isso acolhes com benevolência o centurião que, cheio de fé, te suplica a cura do seu criado paralítico. Dá-nos, Senhor, a capacidade de receber qualquer pessoa que nos procura implorando ajuda, alívio e compreensão. Amém.

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp