DIA 3 – SEXTA-FEIRA
SÃO FRANCISCO XAVIER

MISSIONÁRIO DA ÁSIA

(branco, pref. do Advento, ou dos pastores, – ofício da memória)

Estes são homens santos, que se tornaram amigos de Deus, gloriosos arautos de sua mensagem.

Francisco nasceu na Espanha em 1506 e faleceu na China em 1552. Foi companheiro de estudos de Santo Inácio de Loyola em Paris e o primeiro padre europeu a partir para evangelizar a Índia e o Japão. Seu profundo espírito de oração e de alegria bem como seu perfil de bom organizador ajudaram-no a percorrer longas distâncias, oferecendo a pessoa de Jesus Cristo a muitos povos. Cresça em nós o anseio por viver e espalhar, por todo lugar e com todos os meios, o Reino de Cristo.

 

Primeira Leitura: Isaías 29,17-24

Leitura do livro do profeta Isaías – Assim fala o Senhor Deus: 17“Dentro de pouco tempo, não se transformará o Líbano em jardim? E não poderá o jardim tornar-se floresta? 18Naquele dia, os surdos ouvirão as palavras do livro e os olhos dos cegos verão no meio das trevas e das sombras. 19Os humildes aumentarão sua alegria no Senhor, e os mais pobres dos homens se rejubilarão no santo de Israel. 20Fracassou o prepotente, desapareceu o trapaceiro e sucumbiram todos os malfeitores precoces, 21os que faziam os outros pecar por palavras, e armavam ciladas ao juiz à porta da cidade, e atacavam o justo com palavras falsas”. 22Isto diz o Senhor à casa de Jacó, ele que libertou Abraão: “Agora, Jacó não mais terá que envergonhar-se nem seu rosto terá que enrubescer; 23quando contemplarem as obras de minhas mãos, hão de honrar meu nome no meio do povo, honrarão o santo de Jacó e temerão o Deus de Israel; 24os homens de espírito inconstante conseguirão sabedoria e os maldizentes concordarão em aprender”. – Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial: 26(27)

O Senhor é minha luz e salvação.

1. O Senhor é minha luz e salvação; / de quem eu terei medo? / O Senhor é a proteção da minha vida; / perante quem eu tremerei? – R.

2. Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, / e é só isto que eu desejo: / habitar no santuário do Senhor / por toda a minha vida; / saborear a suavidade do Senhor / e contemplá-lo no seu templo. – R.

3. Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver / na terra dos viventes. / Espera no Senhor e tem coragem, / espera no Senhor! – R.

 

Evangelho: Mateus 9,27-31

Aleluia, aleluia, aleluia.

Eis que virá o nosso Deus com poder e majestade, / e ele há de iluminar os olhos dos seus servos! – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 27partindo Jesus, dois cegos o seguiram, gritando: “Tem piedade de nós, filho de Davi!” 28Quando Jesus entrou em casa, os cegos se aproximaram dele. Então, Jesus perguntou-lhes: “Vós acreditais que eu posso fazer isso?” Eles responderam: “Sim, Senhor”. 29Então Jesus tocou nos olhos deles, dizendo: “Faça-se conforme a vossa fé”. 30E os olhos deles se abriram. Jesus os advertiu severamente: “Tomai cuidado para que ninguém fique sabendo”. 31Mas eles saíram e espalharam sua fama por toda aquela região. – Palavra da salvação.

 

Reflexão

Dois cegos seguem Jesus, pedindo piedade. Eles acreditam que Jesus possa fazer alguma coisa por eles. Pessoas cegas têm dificuldade para exercer suas atividades físicas, têm sua autonomia limitada. No Antigo Testamento, o cego não podia participar do culto (cf. Lv 21,18); portanto, era uma pessoa marginalizada e excluída do templo. Os dois cegos gritando atrás de Jesus representam a oração de angústia de quem está sofrendo por causa da cegueira. Professam sua fé em Jesus, que toca nos olhos deles e lhes devolve “conforme a fé que têm”. A fé provoca a recuperação da vista e da dignidade e a integração na comunidade. A comunidade cristã (casa) é o ponto de chegada, onde manifestamos nossa fé, e o ponto de partida para o anúncio da mensagem de quem nos estendeu as mãos e nos salvou.

 

Oração


Divino Mestre, Luz do mundo, aos dois cegos que te seguiam, implorando piedade e cura, deste a condição de enxergar. Abre, Senhor, nossos olhos para que possamos reconhecer-te nos pobres e marginalizados de nossa sociedade e firma nossos passos no caminho que nos conduz a ti. Amém.



Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp